Aa25rp

XXIV Congresso da Prosalis – Projecto de Saude em Lisboa

Dez 1, 2014

A Associação Amigos da Grande Idade – Inovação e Envelhecimento, vai participar no XXIV Congresso da Prosalis – Projecto de Saude em Lisboa, cujo tema este ano é “Empowerment, Integração Social, Família e Envelhecimento”.
O Congresso realiza-se na Fundação Calouste Gulbenkian (Sala 2) no próximo dia 9 de Dezembro e as inscrições podem ser feitas em www.prosalis.pt
O Presidente da Associação vai ter a palavra às 10H00 na mesa subordinada ao tema: “Tendências demográficas e Vida Familiar”.

O programa pode ser consultado em www.prosalis.pt

Ler mais

RECOMENDAÇÕES PARA A LONGEVIDADE Portugal 2014

Nov 20, 2014

A Direção da Associação Amigos da Grande Idade – Inovação e Desenvolvimento, celebra em 2014 o envelhecimento populacional, como a maior conquista do século XX em Portugal.

Assim vai realizar no dia 2 de Dezembro das 9H30 às 18H, um magnífico Simpósio/Congresso  na Assembleia da Republica (Sala do Senado), sobre um dos temas mais avançados ao nível do Envelhecimento em PORTUGAL “Recomendações para a Longevidade”.

Assim, convida todos os que estiverem interessados, a participar, e a virem com a Direção da Associação Amigos da Grande Idade, influenciar na Assembleia da Republica o FUTURO DO ENVELHECIMENTO EM PORTUGAL.

As inscrições dão direito a pasta com documentação, acesso ao espaço do Simpósio/Congresso, acesso a duas conferências (“A  motricidade humana e o idoso” – Professor Doutor Manuel Sérgio; Conferência  “O Ocaso Dos Dias” – Professor Doutor Adriano Moreira) diploma de frequência e para efeitos curriculares um certificado com acreditação de 8H formativas de alta qualidade. Oferecemos ainda um coffee break.

Veja o Programa clicando aqui

 

Clique aqui para efectuar a sua inscrição onlineParticipe já!

Ler mais

CONSULTA PÚBLICA

Out 29, 2014

“O FUTURO DO ENVELHECIMENTO EM PORTUGAL”

RECOMENDAÇÕES PARA A LONGEVIDADE Portugal 2014

A Direção da Associação Amigos da Grande Idade – Inovação e Desenvolvimento, celebra em 2014 o envelhecimento populacional, como a maior conquista do século XX em Portugal.

No entanto, devido às dificuldades económicas da última década são necessárias novas políticas como forma de garantir a sustentabilidade económica, social e familiar. Esta revolução demográfica está a ter reflexos aos mais diversos níveis, nomeadamente social, político e inclusive no que se refere ao sistema de saúde.

 

Assim, deixamos um conjunto de recomendações para as quais pedimos a sua opinião e sugestões de melhoria, que teremos em conta na versão final a levar na Sessão Formal a Realizar na Assembleia da Republica, no dia 2 de Dezembro de 2014.

 

Participe através do seguinte Formulário [Online]

Ler mais

Associação Amigos Da Grande Idade apoia projectos piloto que pretendam investigar a eficácia de novo equipamento para a recuperação global.

Out 15, 2014

A Physiosensing é uma jovem, empresa que está a iniciar a comercialização de um novo equipamento tecnológico que vem trazer grande inovação e maior eficácia á recuperação global de doentes com AVC e fratura do colo do fémur.

Este equipamento foi desenhado por jovens portugueses que agora está á disposição de todos os técnicos que o desejem experimentar.

Para conhecer melhor este equipamento pode consultar: https://www.facebook.com/SensingFuture ou www.sensingfuture.pt

Os esclarecimentos podem ser dados por pedromendes@sensingfuture.pt ou luisferreira@sensingfuture.pt e ainda pelo telefone  968 720 979

Ler mais

Associação aumenta a sua capacidade de comunicação

Out 8, 2014

NOVOS CONTACTOS E FORMAS DE SEGUIR O TRABALHO DA ASSOCIAÇÃO

A Associação Amigos da Grande Idade pode agora ser acompanhada através do facebook, onde criou dois acessos novos em https://www.facebook.com/aagi.portugal para aceder à página oficial da Associação, designada por ASSOCIAÇÃO AMIGOS DA GRANDE IDADE e em https://www.facebook.com/aagi.inovacaoedesenvolvimento onde pode aceder ao utilizador Aagi Inovação E Desenvolvimento.

Após a criação desta nova informação obtivemos logo mais de 800 gostos e ultrapassamos os 1300 amigos.

Mas a Associação quer que a sua informação chegue mais longe e nesse sentido abrimos conta no Twitter, com o nome Amigos Grande Idade.

Neste novo canal de comunicação, atingimos de imediato 200 seguidores, o que muito traduz o interesse dos nossos amigos que vão acompanhando o nosso trabalho.

Esta é uma das formas de podermos divulgar as principais questões do envelhecimento em Portugal, não tendo capacidade para chegar aos órgãos de comunicação, servimo-nos daquilo que é o nosso trabalho individual e voluntário.

Orgulhamo-nos de hoje termos um portal www.associacaoamigosdagrandeidade.com, com mais de 250 visitas diárias.

 

Ler mais

Dia Internacional do Envelhecimento

Out 1, 2014

A Direção da Associação dos Amigos da Grande Idade, comemora o Dia Internacional do Envelhecimento de 2014, com uma reflexão, anotando as 7 Obras de Misericórdia do Mestre Pintor Italiano Caravaggio.

Se observamos ao pormenor veremos que o Pintor poderia ter vivido e retratado a atualidade Nacional, onde milita um crescente ressentimento em relação às pessoas da Grande Idade. As Obras de Misericórdia, são ligadas à compaixão que sentimos em dar a felicidade aos mais fracos. Com este sentimento o quadro descreve esta necessidade patética da geração dos Adultos, de poder incomensurável descreverem, legislarem e regulamentarem ao nível da sociedade a felicidade dos mais idosos em Portugal. As sete obras representadas no quadro permitem perceber este sentimento de felicidade, que nos impede de praticar o Mal, numa fronteira muito ténue com o Bem: Dar de comer a quem tem fome; Dar de beber a quem tem sede; Vestir os nus; Visitar os prisioneiros; Dar pousada aos peregrinos; Visitar e atender os doentes; Enterrar os mortos.

Nos seculos 17 a 14 a. C. “Zoroastro” profeta Iraniano, criou uma teoria que se baseava entre o Bem e o Mal, e definiu a felicidade como sendo: “Um lugar ao abrigo do fogo e dos animais ferozes; mulher e filhos; e rebanhos de gado”.

É nesta perspetiva que continuamos a trabalhar em Portugal? Quais os cuidados que prestamos e os serviços que dispomos para as pessoas idosas?

Respondemos às necessidades básicas, impedindo ou atenuando o Mal, com a perceção que estamos a fazer o Bem e logo as obras da misericórdia. Vejamos o sentimento de felicidade atual:

Pergunta da sociedade – És feliz, velho português?Idoso – Responde – Muito.

Pergunta da sociedade – Porquê?

Idoso – Responde – Porque não me batem, dão-me comer e, de vez em quando, lavam-me, tenho roupa, onde dormir.

Pergunta da sociedade – Mas está descontente, tudo fazemos para vos ajudar, faltamos algo? Amor?

Uma Idosa Portuguesa – Responde – O amor!!! Fui eu que vos ensinei, fui eu que vos sustentei, fui eu que vos mudei as fraldas, que vos criei, que vos dei pão, que me sacrifiquei!!!Lembrei-vos ou já esqueces-te o que é velho, que desprezais depois dos 7 0 anos, na legislação? Que entendeis falar num representante com uma legislação ambígua, com uma desproteção e até inferioridade em relação aos animais irracionais! É assim que transmites aos teus filhos a forma como tratais os vossos pais?

Pois é. Criámos um modelo maximalista: nos lares, nos centros de dia ou nos domicílios, na própria legislação ao longo de décadas, oferecemos segurança, comida e higiene. Base da Pirâmide mas sem fazer qualquer esforço para aumentarmos a oferta. “Consciência da sociedade – Para quem é, bacalhau basta!”

Jesus Cristo defendeu o Amor como elemento fundamental para atingir a harmonia em todos os níveis, incluindo a felicidade individual. Ao modelo: levanta, come e dorme, acrescentámos o Amor, nem sempre utilizável, mas sempre justificativo da falta de outros serviços ou cuidados. Bem dizia Mateus:“Bem-aventurados os humildes de espírito porque deles é o reino dos Céus”. Desenvolvemos a nossa atividade na área do envelhecimento num modelo assente numa tradição conservadora, primária, assistencialista e caritativa. O que nos tem levado a não responder a qualquer nível de exigência e a excluir a competitividade qualitativa. Deixámos passar o positivismo que baseava a felicidade no altruísmo e na solidariedade. É certo que aproveitámos algo do marxismo que baseia a felicidade na igualdade e ai, sim, conseguimos que o nosso modelo considere todos os velhos, pessoas com mais de 65 anos e com necessidades iguais. Não ligámos á psicanálise que baseia a felicidade no princípio do prazer e esse tentamos afastá-lo o mais possível da nossa prática diária com pessoas idosas. Finalmente não aproveitámos a psicologia positiva que baseia a felicidade nas emoções positivas.

NESTA COMEMORAÇÕES PERGUNTAMOS?

Mas o que fizeram as pessoas idosas para este ressentimento da sociedade em relação a elas? Gastam muito dinheiro? Não trabalham e reformam-se cedo de mais? Desequilibram completamente a sustentabilidade da sociedade? São maus, chatos, complicados, exigentes?

Não. Os idosos tornaram-se um problema para uma sociedade que ainda não percebeu que ao contrário do que se apregoa eles não representam um peso para a sociedade mas a sociedade é que tem representa um peso para os idosos.

Felizmente noutras culturas a pessoa idosa é a protagonista da comunidade pelo seu conhecimento e experiencia e pela dádiva que essas comunidades têm para com quem as desenvolveu.

Até agora não temos entendido o envelhecimento, não percebemos as extraordinárias vantagens de vivermos numa sociedade constituída por muitas pessoas que podem contribuir para o seu desenvolvimento e o que temos agora se deve aos seus esforços e trabalho, á sua procura constante de inovação e desenvolvimento.

Mas não vamos conseguir manter por muito mais tempo esta atitude e comportamento em relação às pessoas idosas. Elas próprias vão ajudar-nos a alterármos o paradigma, tornando- se, em breve os atores principais e os decisores que necessitamos.

Estamos a caminho da sociedade e da economia do Bem-estar. Temos ai os baby Bommers que não se vão deixar isolar/ficar de lado quando envelhecerem.

Nesta nova sociedade, na qual pretendemos construir a felicidade coletiva é um dos indicadores económicos tão importante como PIB e a inflação. E para atingirmos a felicidade coletiva precisamos de uma sociedade inclusiva que não descrimine aquilo que hoje já representa quase metade da população (pessoas com mais de 65 anos).

É esta a alteração do paradigma: de uma oferta de cuidados e serviços assistencialista e caritativa vamos passar a uma oferta de cuidados e serviços na procura da felicidade, desconstruindo preconceitos, derrubando estigmas e ultrapassando descriminações. Tudo em função da idade como atualmente acontece.

Esta procura da felicidade coletiva passa por um obrigação e envolvimento de todos os cidadãos, apelando a um comportamento de exercício de cidadania, no modelo de dividir o cobertor para que possa cobrir todos.

Mas são também os governos os responsáveis indiretos por este caminho, sendo os cidadãos os responsáveis diretos pelo exercício do seu poder de votação, de eleição. No conjunto de todas as vontades teremos, estamos certos, alterações fundamentais da legislação, preocupações mais adequadas sobre as necessidades das pessoas mais velhas e

comportamentos mais ajustados no exercício de funções na área social com a prestação dos cuidados e a oferta dos serviços.

Temos pois de mudar o modelo, de profissionalizar os nossos serviços e de educar a sociedade, PARA QUE ESTA SOCIEDADE NÃO SEJA UM PESO PARA OS IDOSOS EM PORTUGAL.

Que neste dia INTERNACIONAL DA PESSOA IDOSA se comece um caminho diferente em que todos tenham consciência que envelhecer em Portugal no atual estado das coisas é fazer o caminho misericordioso do Calvário.

Faça download do artigo em pdf clicando aqui

 

Ler mais

Envelhecer na maior – Conferência organizada pela AAGI realiza-se no dia 24 de setembro

Set 10, 2014
Clique aqui para aceder à ficha de inscrição

 

A Associação Amigos da Grande Idade é a entidade organizadora da Conferencia “Envelhecer na Maior” que se realiza no próximo dia 24 de Setembro, em Porto de Mós, em parceria com as Instituições da Rede Social e da Camara Municipal daquela simpática vila.

A ligação da Associação a Porto de Mós já tem história, já que foi uma parceria entre a Santa Casa e o Municio com a Associação que levou à organização de um seminário há dois anos que teve grande êxito e que demonstrou que todas as entidades, em todos os locais do País podem desenvolver projectos deste género que traz a partilha de conhecimento e formação para fora dos locais habituais, dos grandes centros urbanos.

A Conferencia de Porto de Mós vai debruçar-se sobre dois temas com os quais a Associação Amigos da Grande Idade muito simpatiza: a sexualidade e a felicidade. Temas que se cruzam e que devem cada vez mais tornarem-se pilares para a discussão pública sobre o envelhecimento. Continuamos a perceber que as preocupações com o envelhecimento em Portugal são tão grandes que nos empurram para abordar em exclusividade as graves questões sociais, a pobreza e a indignidade de como se envelhece.

Contudo devemos também pensar que existem abordagens mais positivas que se tornam cada vez mais importantes. Nunca deixaremos de ter um modelo assistencialista e caritativo, enquanto estivermos fechados na ideia de que as pessoas idosas só precisam de cuidados e serviços quando adoecem, ficam acamadas ou incapacitadas. Obviamente que essas situações são muito preocupantes e a Associação tem desenvolvido grande parte da sua atividade no sentido de intervir decisivamente na organização interna de lares, centros de dia e cuidados domiciliários. Mas existem também as pessoas idosas saudáveis que requerem a preocupação de todos e se ela não existir vamos rapidamente ter essas pessoas nas mesmas condições a que temos deixado chegar outras.

Sexualidade é algo que evitamos muitas vezes de tratar, especialmente quando isso diz respeito a pessoas com mais de 65 anos. É como se fosse proibido, ridículo, distante. Queremos mudar o paradigma. Ninguém é feliz nessa idade ou noutra mais avançada se fecharmos essas pessoas numa gaiola deprimente na qual a incapacidade dos técnicos de abordar questões tão importantes como a vontade sexual, o desejo e as formas de atenuar as dificuldades criadas pelo processo de envelhecimento, faz com que esse tema seja colocado completamente de lado.

Convidamos pois a assistirem a uma inovadora abordagem, polémica, desconstrutora, corajosa e, acima de tudo, verdadeira. Temos para isso a presença da Dr.ª Ana Paula Oliveira e a Mestre Alexandra Neves que aconselhamos a vir ouvir. Na segunda parte o tempo será preenchido por um misto de intervenção e diálogo informal com Rui Fontes, Presidente da Associação e o jovem ator Luis Lourenço.

A Felicidade será o tema.

A participação é gratuita mas requer inscrição.

Clique aqui para aceder à ficha de inscrição

Não perca.

Ler mais