Gripe A – Prevenção

Fev 26, 2013

Associação aconselha serviços destinados a pessoas idosas a implementarem medidas de contingência e protecção ou prevenção em relação à Gripe A

Ler mais

AAGI no Alentejo

Nov 10, 2012
Quem somosArtigos/OpiniãoIniciativasAgenda 2014
A Associação Amigos da Grande Idade – Inovação e Desenvolvimento, promove a primeira delegação fora de Lisboa, no Alentejo, em Odemira.

Região do pais que apresenta graves problemas na área do envelhecimento, tem agora uma representação da Associação, que, à semelhança do que fizemos até aqui, pretende ser uma plataforma para todos os que desejem desenvolver a sua actividade de intervenção, formação, influencia e desenvolvimento de projectos.

A nossa representante é a Enfermeira Cláudia Silva e pensamos que em breve seja feita a apresentação formal desta delegação e o planeamento da actividade que esperamos venha a ser realizada.

Estamos à disposição de todos para podermos publicar e divulgar projectos relacionados com o envelhecimento e com as Pessoas Idosas. Apoiamos também iniciativas e trabalhos académicos e pretendemos, no futuro, intervir nas políticas autárquicas da região alentejana.

Queremos ser um facilitador, um meio para podermos ter mais respostas e maior adequação das que existem às necessidades.

Objectivos na AAGI – ID:

– Contribuir para uma mudança de mentalidades relativamente ao envelhecimento em Odemira, e que isso possa vir a influenciar o restante Alentejo

– Dar a conhecer as ideias da associação ao concelho e líderes locais que possam ter um contributo importante na mudança das políticas locais

– Contribuir para o desenvolvimento de um projecto inovador adaptado à realidade de Odemira que possa reduzir o isolamento, contribuir para uma maior autonomia e integração na comunidade.

Artigo

A dor crónica

De acordo com a Associação Portuguesa para o Estudo da Dor, a dor é uma experiência sensorial e emocional desagradável, associada a uma lesão tecidual (real ou potencial). Atendendo à subjetividade da dor, em linguagem comum, a dor não é mais do que aquilo que a pessoa diz que é! Assim, uma correta avaliação da dor deverá ser multidimensional tendo em conta não só os fatores biológicos, mas também psicológicos e sociais. A dor diz-se crónica quando é persistente ou recorrente durante pelo menos 3-6 meses, podendo persistir para além da cura da lesão que lhe deu origem, ou mesmo existir sem lesão aparente. Atualmente a dor crónica afeta cerca de 36% da população adulta em Portugal, sendo a sua prevalência significativamente maior nas mulheres e que aumenta com a idade em ambos os sexos.

A dor crónica tem consequências importantes no bem-estar e saúde da pessoa, bem como a capacidade de trabalhar e realizar as atividades do quotidiano, sendo por vezes incompreendida por quem não a vivencia. As principais causas de dor crónica referidas são: as patologias osteoarticulares, em particular as lombalgias que atingem mais de 40% dos indivíduos, a osteoporose, os traumatismos, a artrite reumatóide e as cefaleias. A cronicidade não significa que a pessoa tenha de “suportar a dor” para o resto da sua vida! Existem unidades de tratamento especializadas no tratamento da dor crónica, pelo que uma das principais medidas para que este tratamento seja acessível a toda a população passa pela divulgação e, consequente, empoderamento da população.

Em particular, a dor no idoso surge geralmente associada a outras patologias, chegando mesmo a ser incapacitante, o que contribui para a diminuição da sua autonomia. Nesta faixa etária, a dor crónica tem grande impacto, provocando ansiedade, insónia, depressão, perda de apetite, emagrecimento, alterações da memória e do raciocínio, limitação nas atividades da vida diária e maior procura dos cuidados de saúde.

Para além da própria pessoa, frequentemente, a dor crónica afeta também de forma muito significativa o bem-estar e as atividades dos familiares e outros cuidadores, fato este que não pode ser ignorado.

O Programa Nacional de Controlo da Dor da Direção-Geral de Saúde tem como objetivo a redução da prevalência da dor na população portuguesa, melhorar a qualidade de vida das pessoas com dor e racionalizar custos/recursos associados. Este é um objetivo que só pode ser alcançado com o esforço conjunto de todas as partes envolvidas, incluindo a população. Se acha que pode ter dor crónica, procure ajuda junto dos cuidados de saúde primários.

Cláudia Neves Silva – Coordenadora AAGI Alentejo

Artigo

A atividade física e os portugueses

Chegada a Primavera e com o Verão à porta, o Sol convida a sair de casa e mais oportunidades surgem para a atividade física! A promoção da atividade física ao longo de todo o ciclo de vida é uma das medidas mais eficazes (e sem custos) para proteger a sua saúde, sendo que o contrário (o sedentarismo) pode ser prejudicial. Com vista a obter maiores ganhos em saúde, a atividade física deverá ser estimulada desde muito cedo nas crianças para que se incutam estilos de vida saudáveis, sendo que neste campo os pais e os professores têm um papel a desempenhar ao reduzir o tempo em frente aos monitores e promovendo atividades lúdicas. Os comportamentos e estilos de vida influenciam a saúde individual e coletiva, com impacto importante nas doenças crónicas. A Direção Geral de saúde destaca entre as medidas essenciais para a sua prevenção, a promoção do exercício físico e a promoção do envelhecimento saudável.

Numa sondagem do Eurobarómetro (2014), dos 28 países que participaram no estudo, Portugal foi o terceiro país em que as pessoas menos praticam exercício físico. Como consequência temos o sedentarismo e o excesso de ingestão de calorias, que conduzem ao excesso de peso, sendo que 54% da população adulta entre os 18 e os 64 anos tem excesso de peso (DGS, 2015).

Sabendo que 25% das mortes prematuras (que ocorre antes dos 70 anos) podiam ser evitáveis através da promoção dos fatores protetores da saúde, onde se incluí o exercício físico, torna este o principal desafio para as organizações de saúde e decisores políticos. Na grande idade um envelhecimento ativo impõe o desenvolvimento de exercício físico, sendo este um papel atualmente desempenhado também pelas autarquias através da implementação de programas e atividades de proximidade que estimulam a sua prática.

Hoje assiste-se a uma relativização das doenças crónicas, no entanto estas ainda são responsáveis por 85% da morbilidade, sendo que o exercício físico é uma forma importante para a sua prevenção. Para além disso, ainda aumenta a qualidade de vida e independência na grande idade através da melhoria do equilíbrio, coordenação, controlo motor, bem como a saúde mental, e a função cognitiva. A DGS recomenda a realização de caminhadas e sessões organizadas de exercício físico, adequadas a cada pessoa, permitem o convívio social, reduzindo sentimentos de solidão ou de exclusão social. Este Verão aproveite o sol, invista na sua saúde e pratique exercício físico!

Cláudia Neves Silva – Coordenadora AAGI Alentejo

Artigo

Para as Pessoas na Grande Idade de hoje e de amanhã…

A reflexão acerca do envelhecimento na primeira pessoa, é talvez o melhor de ponto de partida para repensar o futuro da sociedade, e o papel que a pessoa na grande idade tem a desempenhar nela. Neste artigo gostaria de apresentar um novo olhar sobre a Grande Idade, pelo que recorri às palavras do Professor Doutor Daniel Serrão para promover essa reflexão. A Justiça como Equidade é um valor ético ao nível da Liberdade e Bem- Estar. Todos somos iguais, todos somos seres humanos, no entanto, a influência de diversos fatores extra-genómicos, culturais e sociais conduzem a uma enorme diversidade humana que carateriza a nossa sociedade. Equidade significa criar normas de discriminação positiva, dando mais a quem mais precisa, por serem mais vulneráveis. Deste modo, devem ser criadas medidas de promoção o bem-estar às pessoas na grande idade criando uma discriminação positiva, sendo que não o fazer constitui uma iniquidade.

A nível social assistem-se a algumas iniquidades que urgem a mudança. Por exemplo, considerar que todas as pessoas com mais de 65 anos como idoso ou velho, e que tem de ser tratado com posturas paternalistas e baseadas em compaixão. Esta é claramente uma discriminação, sim, mas negativa! Esta atitude tem inerente a negação ao direito do exercício de autonomia pessoal e ao consentimento informado. As pessoas são todas iguais, dentro da sua diferença, sendo necessário garantir a equidade. Equidade na saúde, equidade social. Há pessoas que na grande idade são saudáveis, independentes e ativas, que em muito podem contribuir para a sociedade com a sua experiência e sabedoria, não necessitando de medidas de discriminação positiva. Neste sentido, a reforma constitui uma oportunidade para iniciar novos projetos de vida, tão ou mais exigentes mentalmente do que foi a sua a sua atividade até ao momento. A idade é apenas um número que não tem qualquer significado pessoal ou social.

Há também pessoas que, pelos mais diversos fatores, na grande idade apresentam alguns problemas de saúde, que apesar de não graves, tendem a conduzir a pessoa à inatividade. Os profissionais de saúde têm aqui um papel ativo na promoção de saúde evitando, nomeadamente, a medicação excessiva e promovendo os estilos de vida saudáveis. A própria pessoa tem de assumir uma nova forma de vida ativa na qual se sinta bem, que pode passar por assumir o controlo da obesidade, da glicémia, e das queixas articulares como responsabilidade pessoal – um projeto de nova vida! É certo que também existem pessoas na grande idade, que são forçadamente inativos devido a problemas de saúde de maior gravidade. Deve haver discriminação positiva para que tenham acesso aos mesmos cuidados de atenção personalizada, seja na saúde, na acessibilidade, ou na sociedade em geral. Portanto, a luta pela equidade é da responsabilidade das pessoas na grande idade que são independentes e ativos. Pela sua criatividade devem demonstrar o absurdo ético do idadismo. As pessoas na grande idade devem lutar pela sua identidade social e reclamar o reconhecimento pelos outros estratos etários. Á medida que a idade avança a pessoa deve ser capaz de aceitar de forma inteligente e tranquila as limitações sensoriais e físicas decorrentes do avançar da idade temporal, evitando a medicação excessiva “dirigida para uma imortalidade corporal inacessível aos seres humanos”. As pessoas na grande idade têm um papel para desempenhar na sociedade do futuro que se constrói, sendo que a inteligência, experiência e sabedoria destas, aliada à inteligência dos jovens desenvolverão novas estratégias de sobrevivência!

Cláudia Neves Silva – Coordenadora AAGI Alentejo

Artigo

SAÚDE e as políticas governamentais: Uma despesa ou um investimento?

Em outubro de 2014 a AAGI Alentejo publicava um dos primeiros artigos no Jornal Sudoeste, onde abordava o tema da felicidade com base nas conclusões de um relatório da OCDE. Este estudo concluía que as pessoas nos países nórdicos eram mais felizes, apresentando o valor de 7,7 numa escala de satisfação de 0-10, contrastando com o valor de 5,2 atribuído aos portugueses. 87% dos noruegueses referiam vivenciar mais sentimentos positivos do que negativos durante o dia, ao passo que apenas 67% dos portugueses deram a mesma resposta (média OCDE 76%). Neste artigo, falou-se que tal poderia relacionado com o facto da esperança média de vida, e os anos de vida com saúde ser superior nos países nórdicos.

Ainda na mesma altura, o relatório “Um futuro para a Saúde”, patrocinado pela Fundação Calouste Gulbenkian, referia que: “é adiando o surgimento das doenças que se pode reduzir as despesas no sector e mudar o panorama da saúde em Portugal nos próximos 25 anos (…) em vez de canalizar o financiamento em saúde quase todo para o Sistema Nacional de Saúde (hospitais, centros de saúde, medicamentos) é preciso agir sobretudo fora dele, passando-se de um paradigma “da doença para um centrado na saúde””. Tal só pode ser alcançado através do investimento na prevenção das doenças relacionadas com os hábitos alimentares e estilos de vida (como por exemplo, as doenças cardiovasculares), o que implica não só um maior envolvimento e responsabilização da própria pessoa pela sua saúde, mas também uma mudança na visão de quem gere!

Mas volto a abordar este tema passado mais de um ano de publicação, não só porque continua a ser um tema perfeitamente atual, mas porque que recentemente tive a oportunidade de contactar com a organização interna de um sistema de saúde nórdico, e constatei na prática como as pessoas o vivenciam. Numa viagem a Gotemburgo (Suécia) constatei que existe um investimento do governo central na promoção de estilos de vida saudáveis, com grande enfoque na realização de atividade física. Esta é fomentada através da construção de espaços ao ar livre que convidam à utilização de bicicleta em detrimento do carro (vias próprias e vários espaços verdes), bem como através da existência de bicicletas públicas pela cidade que qualquer pessoa pode utilizar através de um cartão de transportes públicos, sendo gratuito nos primeiros 30 minutos. Para além disso, ainda são atribuídos subsídios junto ao vencimento mensal para frequentar ginásios ou realizar de outra atividade física. É comum ver pessoas de todas as idades a correr, e nem o frio ou a neve os demove. Tendo em conta o referido, consegui compreender melhor porque as pessoas se sentem mais satisfeitas e experienciam mais sentimentos positivos nos países nórdicos. Esta é uma medida com impacto na grande idade, pois criam-se condições para promover a autonomia e evitar a dependência, havendo claramente um investimento na prevenção, e a procura de ganhos em saúde. O investimento a longo prazo na saúde traduz-se na diminuição da utilização dos serviços de saúde e, consequente, redução de custos.

Cláudia Neves Silva – Coordenadora AAGI Alentejo

Artigo

As rugas no rosto do Alentejo

“Alentejo sabe a dias que escorrem devagar por entre as sombras que o sol poupa. Sabe a campo e a amarelo, mesmo quando a paisagem é verde. Maria Sabina não conhece outra terra ou outra vida. Nunca saiu do Alentejo e dele bebeu toda a vida, por entre os muitos que já partiram e os que foram chegando depois, ao mesmo cenário pintado a aguarela. Já são 100 os anos que carrega nas rugas, nos passos arrastados, que não vão longe “porque o doutor não deixa”, e nas memórias que a cabeça não permitiu cair em esquecimento”. (Marta Martins Silva; Correio Manhã)

Começa assim um dos muitos artigos que já se escreveram sobre o Alentejo e o Envelhecimento. O tema parece não esgotar e estar cada vez mais actual!

Ficam as saudades de um Alentejo rico em que se criava gado, se cultivavam grandes terrenos, produzia-se para toda a nação. “O celeiro de Portugal” como alguém em tempos lhe chamou! Era uma região produtiva, com gente e sustentável.

Depois vieram as “modernices políticas”, os subsídios, dizia-se que pagavam para não produzir! Aos poucos o nosso Alentejo foi morrendo. Os campos deixaram de ser cultivados, os agricultores andavam de Land Rover mas não cultivavam ou criavam gado!

O emprego começou a escassear e o Alentejo não se desenvolveu. Os jovens saíram da terra para os grandes centros urbanos em busca de emprego e melhores condições de vida emprego e melhores condições de vida.

Os anos passaram-se e os idosos foram ficando, já não reproduzem e por isso também não há crianças. Aos poucos a percentagem de idosos (com 65 ou mais anos de idade) igualou e ultrapassou a soma das percentagens de crianças e jovens (0-14 e 15-24 anos). De acordo com os Censos de 2011, no Alentejo, a população com 65 ou mais anos representa 24% e a soma das crianças com jovens 23%.

A Medicina evoluiu, e apesar da constante falta de médicos e enfermeiros na nossa região, os avanços também cá chegaram! Agora no Alentejo vive-se mais.

Estamos no ano de 2012, e os últimos Censos já revelam um marcante envelhecimento da população a nível nacional, mas com grande relevo no Alentejo, juntamente com um elevado índice de dependência. As projecções do INE para 2050 dizem-nos que o envelhecimento da população tenderá a aumentar ainda mais: um terço da população portuguesa terá mais de 65 anos e um milhão de pessoas terá mais de 80 anos!

Qual o futuro? Estará o futuro do Alentejo na volta à produção? Poderá voltar a ser sustentável? Estou em crer que sim!

E qual será o destino de todos os idosos que tendem a aumentar? Vamos institucionalizar todos os idosos? Não me parece! Outras soluções terão de surgir.

Uma senhora dizia-me uma vez queixando-se de uma dor na mão deformada por artroses que a idade lhe trouxe: Preferia um “enxada” na mão, do que a mão inchada!

Cláudia Silva

Artigo

Estará o futuro do Alentejo à vista?

No passado dia 21 de Março realizou-se em Odemira mais uma Assembleia Municipal Jovem, evento que integra as Jornadas Jovens que decorrem até ao próximo dia 23.

Nesta assembleia extraordinária da Assembleia Municipal de Odemira é dada voz aos jovens para fazerem propostas para o seu concelho. No fim da sessão as propostas são votadas e aprovadas democraticamente.

O tema deste ano foi: “Administração e Organização Local: os seus desafios no concelho de Odemira”.

A meu ver, e apesar de não ter sido a mais votada, a proposta da Escola Aviador Brito Paes de Colos foi a proposta mais importante e que demonstrou visão e maturidade, mas também simplicidade.

A proposta consiste na criação de uma Bolsa de Terras local (terras que seriam cedidas temporariamente por entidades públicas ou particulares) para que estas pudessem ser utilizadas para aprendizagem de conhecimentos teóricos e práticos de agricultura.

Existiria uma colónias de férias de jovens que exploraria estas terras organizando workshops teóricos e práticos para que os jovens adquirissem conhecimentos básicos de agricultura, nomeadamente, técnicas para semear, regar, alturas indicadas de cultivo para cada tipo de produto e utilização de utensílios.

A proposta vai mais além, sugerindo que estes conhecimentos fossem transmitidos por engenheiros agrónomos e agricultores.

Eu acrescentaria ainda outro aspecto á propostas: sugeria que os agricultores mais velhos, com sabedoria empírica que uma vida inteira de culturas lhe deu, fossem os professores destes jovens.

Os alunos concluíram que com esta proposta pretendiam cativar os jovens para o sector primário, desenvolvendo o gosto pelo trabalho na terra e influenciando as suas futuras escolhas a nível académico para que invistam na área e voltem para o concelho de Odemira.

Acho que é uma proposta muito importante que, a longo prazo, poderia criar riqueza e fixar população.

Os alunos da Escola Aviador Brito Paes de Colos estão de parabéns!

 

Cláudia Silva

 

Artigo

Suicídio no Concelho de Odemira

O Suicídio tem sido alvo de estudo de vários psicólogos, sociólogos e outros especialistas da área.

O Alentejo e em particular o Concelho de Odemira detêm uma taxa de suicídio muito elevada, surgindo ao lado de países como a Bielorrússia que regista os números mais elevados da Europa. Apresenta uma taxa de cerca de 50 suicídios por cada 100 mil habitantes.

Porquê? Devido ao despovoamento e desertificação? Devido ao envelhecimento da população onde idosos vivem isolados e, muitas vezes, sozinhos? Apoio social insuficiente? Certamente que contribuirá!

Em 2007 jovens do Concelho de Odemira, cientes do elevado números de casos de suicídios no seu concelho fizeram um documentário que relata bem nas vozes dos próprios idosos a desertificação, o isolamento e a confrontação do suicídio no seu dia-a-dia.

Dr. Fernando Areal, Médico Psiquiatra responsável pelo Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Hospital de Beja, afirma que as elevadas taxas de suicídio no Alentejo, sobretudo em Odemira, estão também relacionado com um “enraizamento de comportamentos com mais de 100 anos”, sendo que em determinadas freguesias como a de Sabóia, “um individuo suicidar-se é um acto de honra e não tem nada de negativo” (Agência Lusa; Junho, 2011)

É com toda a certeza uma situação que continua a necessitar de uma intervenção urgente. Existe um projecto da Fundação Odemira com o nome “A Vida Vale” que surgiu precisamente com o objectivo de tentar contribuir para diminuir a taxa de suicídio na freguesia de Sabóia. Tem uma parceria com uma Unidade Móvel da Unidade de Cuidados na Comunidade de Odemira procurando dar um apoio mais próximo aos idosos isolados. Recentemente inauguraram a sua sede em Sabóia que funcionará como um centro de convívio para os idosos com actividades de cultura e lazer.

PLANO DE ATIVIDADES AAGI ALENTEJO 2014

ATIVIDADE/OBJECTIVOS

PERÍODO

Criação de grupo de reflexão sobre o Envelhecimento no Alentejo:

-Identificar problemáticas do envelhecimento específicas nesta região;

-Promover o debate e definir estratégias para um envelhecimento ativo no Alentejo;

-Influenciar decisores políticos na implementação de medidas.

 

1ºSemestre

 

 

 

Criação de rede de divulgação recorrendo aos meios de comunicação social locais:

– Contribuir para a permanência do idoso do seu meio através de informação aos cuidadores e ao próprio idoso;

– Continuar a dar a conhecer a Delegação Alentejo da AAGI à população.

 

Ao longo do ano

 

 

 

Desenvolver atividades intergeracionais em parceria com entidades locais:

– Promover o convívio intergeracional para fomentar valores nas crianças;

– Sensibilizar comunidade, decisores políticos e instituições locais para a importância dos projectos intergeracionais.

.

Ao longo do ano

 

 

 

II Conferência Regional da Delegação Alentejo da AAGI:

– Promover o debate e discussão de ideias que possam contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos idosos;

 

2ºsemestre

 

 

 

Workshop de Gestão de Equipas de Auxiliares em Lares de Idosos, Cuidados Domiciliários e Centros de dia:

-Capacitar Dirigentes Técnicos de instituições de competências específicas

 

 

Ao longo do ano

Ler mais

Anúncio oficial do Congresso 2013

Out 20, 2012

A Associação Amigos da Grande Idade anuncia oficialmente o CONGRESSO INTERNACIONAL DO ENVELHECIMENTO nas datas de 6, 7 e 8 de Junho de 2013 em local a designar dado que existem opções divergentes a analisar.

O êxito do Congresso de 2012 faz com que as expectativas sejam muito elevadas e cria algum a ansiedade à Associação na medida em que continuamos a apostar numa logística exclusivamente voluntária, montada e constituída por amigos e parceiros que se juntem a nós.

O Congresso vai apresentar algumas novidades.

Mantendo um núcleo exclusivamente médico e um núcleo social e saúde generalista, permitirá em 2013 que se possa participar nos dois eventos já que os mesmos realizam-se em dias diferentes. Assim, o Congresso passará a ter 3 dias, iniciando-se com o simpósio médico, no primeiro dia, seguindo-se dois dias destinados ao Congresso. Esta alteração surge em consequência de ter sido referido que na iniciativa deste ano muitas pessoas ficaram impedidas de assistir a alguns painéis de debate porque se realizavam em simultâneo.

Não estando ainda definidos os painéis do simpósio médico (pensamos poder vir a ter um parceiro na área médica para a organização do simpósio, não querendo determinar todo o processo sem isso estar decidido), estão já definidos os temas/painéis de debate do Congresso: FUNCIONALIDADE, SUSTENTABILIDADE, LIBERDADE E FELICIDADE. Estes quatro temas ocupam os dois dias de Congresso que terá, também, como novidade, um modelo de debate para os oradores, libertando-os das apresentações formais e aumentando a interactividade com o público.

A Comissão organizadora será presidida pelo presidente da Associação Rui Fontes e pelo Vice-Presidente da associação César Fonseca, que terá também a seu cargo a presidência da Comissão organizadora do Concurso de Pósteres e Comunicações Livres.

A coordenação do secretariado permanente do Congresso será assegurada pela colaboradora Mariana Félix.

Mantem-se também a comissão organizadora do concurso de pósteres e comunicações livre que para além do coordenador/presidente terá a colaboradora Helena Antunes e a colaboradora Rosário Favita

A máquina está pois em funcionamento com a antecedência que a importância e relevância que o CONGRESSO INTERNACIONAL DO ENVELHECIMENTO ganhou em 2012.

http://associacaoamigosdagrandeidade.com/wp-content/uploads/2012/10/CARTAZ-OFICIAL-CONGRESSO-2013.pdf

Ler mais

Prémios Hospital do Futuro Categoria "Grande Idade"

Set 10, 2012

GRANDE IDADE” é a nova categoria dos Prémios Hospital do Futuro, que se destina a distinguir projectos de instituições e de pessoas que possam contribuir para um envelhecimento de maior qualidade em Portugal.

 O projecto que se apresentar mais inovador e que mais votado for pelo Júri dessa categoria, verá o seu trabalho reconhecido, na entrega dos Prémios Hospital do Futuro deste ano, que decorrerá no dia 19 de Novembro, em Lisboa.

A Associação Amigos da Grande Idade em colaboração com o Hospital do Futuro, coordena esta categoria dos Prémios Hospital do Futuro, podendo todas as informações serem solicitadas também para: associacaoamigosdagrandeidade@gmail.com

Para consulta do regulamento e outras informações pode aceder a http://www.hospitaldofuturo.com/page/premios-hdf-2012

Ler mais

Nova Portaria

Mai 21, 2012

SAIU A PORTARIA QUE DEFINE AS CONDIÇÕES DE ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E INSTALAÇÃO DE ESTRUTURAS RESIDENCIAIS PARA PESSOAS IDOSAS

Portaria n.º 67/2012
de 21 de março

Saiu hoje, com data a 21 de Março a Portaria que estabelece as novas condições de funcionamento de Lares de idosos.
Sem surpresa apresenta grande flexibilidade naquilo que mais incomodava e encarecia os investimentos nesta área: as áreas funcionais e os metros quadrados.
Com alguma tristeza não foi tão longe como se desejaria no que diz respeito ao que elegemos de mais importante no funcionamento destas estruturas: o pessoal.
Mantem-se indicadores de pessoas sem que os mesmo estejam ligados a quaisquer indicadores de qualidade. Valoriza-se o número em detrimento da formação (que não é referida) e aumenta-se até a exigência na área da ocupação (!) indicando um animador por cada 20 utentes.
É certo que se refere que os números indicados podem ser adaptados e nós defendemos isso mesmo. Adaptados em função das necessidades e dos indicadores de qualidade que deveriam ser, pelo menos, referidos.
Sabemos que nem tudo se pode fazer de uma vez e temos esperança que este seja o caminho correcto, especialmente se os serviços fiscalizadores mudarem radicalmente de atitude deixando de ser policiais e passando a ser pedagógicos e verdadeiros parceiros, contribuindo para que os operadores, sejam eles sociais ou privados aumentem a sua qualidade.
Não podemos deixar de referir a ausência de referências à formação de pessoal, ficando vaga esta área que determina todo o funcionamento destas estruturas.
Exige-se pessoal mais formado, mais qualificado em contexto de trabalho. Não é uma exigência que se tenha de fazer para a contratação mas é pelo menos uma obrigatoriedade das direcções técnicas e das lideranças das entidades e instituições em manterem planos de formação adequados e alinhados em permanência que possam ser avaliados através de processos individuais dos colaboradores que desenvolvem actividades nessas instituições e entidades. Podemos insistir em ter lares com mais trabalhadores do que residentes mas isso não determina qualidade, não aumenta a felicidade dos residentes, se esse pessoal não tiver formação permanente e avaliação do desempenho.
De qualquer forma não podemos deixar de nos congratular pelo facto de, finalmente, termos o ciclo de legislação fechado após 5 anos de existência de um Decreto-Lei sem qualquer despacho ou portaria que o legislasse. Neste percurso mais recente do Ministério da solidariedade e Segurança social e após o PES (Programa de Emergência Social) já foram publicados o Decreto-Lei 99/2011 e agora a Portaria 67/2012. São passos que nos tranquilizam no que respeita a uma preocupação que não tem existido em relação aos equipamentos destinados a pessoas idosas.

Consulte a portaria em: Portaria n.º 67/2012

Ler mais