Idosos em perigo de morte – Navega-se à vista

Ago 8, 2021
Comunicado numero 15

A associação amigos da grande idade alerta para a situação actual da pandemia, semelhante à que passámos há meses atrás com infeção e morte de milhares de pessoas idosas.

Pode-se entender esta afirmação como especulativa, mas é esse o direito que temos quando a entidade reguladora do setor dos lares de idosos parece ter lavado as mãos do problema após a vacinação, deixando toda a responsabilidade entregue a uma direção geral da saúde que, desde o inicio da pandemia, demonstrou completo desconhecimento da institucionalização de pessoas idosas em Portugal.

O que leva a Associação a preocupar-se é simples de explicar e entender:

1. Como estão a ser monotorizados, acompanhados e vigiados os lares de idosos ilegais identificados pelas autoridades?
2. O que justifica a existência de novos surtos em lares de idosos?
3. Que apoios foram dados aos lares de idosos para reciclarem os seus colaboradores em termos de formação de modo a alterarem os seus comportamentos e desempenho?
4. Que estratégia existe para impedir novos surtos e novas situações dramáticas?

No fundo, a sonegação de informação impede o desenvolvimento de intervenções ajustadas por parte dos técnicos. Estes encontram-se completamente dependentes das informações que vão sendo dadas pela comunicação social e das inoportunas intervenções de meia dúzia de “achistas” que diariamente falam do que não sabem.

Tivemos recentemente um levantamento de restrições e contenções causado pela vacinação que, aparentemente, tranquilizou os lares de idosos que passaram alguns meses fora das notícias. Estas situação não foi devidamente acompanhada pelas autoridades que permitiram que cada um dos responsáveis de lares tomassem decisões conforme o seu entendimento da situação.

Depois, surgiu uma norma da DGS permitindo a saída de residentes dos lares sem necessidade de período de isolamento no regresso.

Finamente terminaram os testes periódicos aos trabalhadores de lares.

Tudo isto tornou-se uma mensagem clara de alivio total.

Agora aparecem 53 surtos em lares, mas ninguém explica as causas, permitindo a especulação e fazendo reinar a desorientação.

Porque razão há novos surtos?

Será da qualidade técnica das lideranças? Mau desempenho dos trabalhadores? Incumprimento de normas? Ou, por outro lado, ineficácia da vacina após determinado período? Há ou não necessidade de revacinar?

Nestas circunstâncias seria ajuizado centrar todas as preocupações nos lares de idosos porque, mesmo com sonegação de informação, por parte das autoridades, foram os lares os mais violentados com a pandemia e quer queiram, quer não, é certo que foram as pessoas idosas que mais faleceram ou arrastaram as consequências da infeção por mais tempo com elevados custos para o SNS.

Não seria acertado que as autoridades tivessem acompanhado os lares de idosos de maneira diferente?

A AAGI preocupa-se profundamente com a situação atual, desde que as autoridades responsáveis deram todos os sinais que tudo tinha já passado, terminando com todos os procedimentos de prevenção que tinham sido implementados.

Como no início da pandemia, estamos atrasados na intervenção nos lares de idosos e a entidade reguladora tem demonstrado algum desprezo pela situação dos lares.

Tambem no início a reação só aconteceu passado 2 meses.

Exigimos que a entidade reguladora dê mais importância aos lares e que a DGS seja mais cautelosa nas decisões e afirmações que faz. Exigimos, também, que a informação seja pública, pedagógica e eficaz e não fique restrita aos gabinetes ministeriais e às reuniões com as grandes corporações.

Não escondam a informação pois, sem ela não podemos trabalhar no terreno e impedir a morte de mais pessoas idosas.

Direcao AAGI

Ler mais

AAGI Lezíria

Jul 31, 2021

Foi constituída a nova delegação da Associação Amigos da Grande Idade: AAGI LEZIRIAS que vai integrar o trabalho realizado já da AAGI FOROS DE SALVATERRA, alargando a intervenção da Associação a todo o território da Lezíria do Tejo.

Esta delegação é o prolongamento da plataforma de trabalho que a Associação representa a nível nacional e vai ser gerida por novos colaboradores da região, com autonomia para realizarem o seu trabalho na área do envelhecimento.

Pretende-se contribuir para um conhecimento mais profundo do envelhecimento em zonas não urbanas, investir na formação profissional de todos os níveis que desenvolvem actividade em serviços destinados a pessoas idosas. É ainda intenção realizar vários eventos e intervir junto de autoridades locais sensibilizando-as para a necessidade de colocar as questões do envelhecimento na primeira linha das suas preocupações.

Temos enormes expectativas no trabalho desta delegação que vai coordenar os projectos feitos em parceria com a Residência Sénior Lezírias: GERIONTOVIA e INCLUSÃO NA COMUNIDADE.

Em breve daremos mais noticias e informação desta delegação que está a completar o processo administrativo formal que validará a delegação.

Ler mais

Programa Desatar

Abr 22, 2021
PROGRAMA DESATAR AS PESSOAS IDOSAS E OS DOENTES DE ALZHEIMER VAI INICIAR-SE EM PORTUGAL

 

O Programa DESATAR as pessoas idosas e os doentes de Alzheimer é desenvolvido pela CEOMA (Confederacion Espanola de Organizationes de Mayores) no território Espanhol, tendo-se estendido já a alguns países da América do Sul.

Trata-se de um projecto/programa, criado pelo médico António Burgueño que tem como objectivo principal impedir as contenções físicas e químicas utilizadas nos Lares e residências, especialmente em doentes de Alzheimer e com demência. Este objectivo é conseguido através de formação, novos modelos de intervenção e mudança de mentalidade, comportamento e atitude.

O programa é gerido por uma equipa multidisciplinar que numa fase mais adiantada credita os lares, residências e outros serviços como espaços livres de contenção, publicitando essa qualidade que muito é apreciada no país vizinho.

A Associação Amigos da Grande Idade há muito que estudava este programa e agora negociou com a CEOMA a replicação do programa em Portugal com as devidas adaptações e ajustes. Esta proposta foi aceite com muita alegria pelos nossos parceiros que assim também vêem o seu programa com maior intervenção e divulgação num outro país Europeu.

Em breve a Associação fará a apresentação do programa para Portugal e do seu planeamento estratégico, iniciando agora a fase de consulta científica por parte dos nossos amigos e colaboradores.

Este vai ser um desafio nacional que implica a nomeação de delegados distritais para autónomamente desenvolverem o programa nas suas zonas geográficas. Implica também muita formação que inicialmente será ministrada aos delegados e envolvidos directamente na liderança nacional do programa.

A Associação sente-me imensamente honrada com este voto de confiança da principal organização da área social em Espanha e garante que irá surpreender pelo empenho e capacidade de intervenção.

Ler mais

Protocolo com a CEOMA

Abr 22, 2021

 

ASSOCIAÇÃO ASSINA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO COM A MAIOR ORGANIZAÇÃO DA ÁREA SOCIAL ESPANHOLA

A Associação Amigos da Grande Idade assinou um Protocolo com a CEOMA (Confederacion Española de Organizaciones de Mayores), uma das principais entidades na área social de Espanha.
Este protocolo visa a colaboração entre as duas entidades nos próximos anos na concretização de propostas de intervenção, investigação, reflexão e divulgação com o objectivo maior de defender as pessoas idosas, os seus interesses e os seus direitos, assegurando um envelhecimento com maior dignidade.
Portugal e Espanha apresentam cenários muito semelhantes que continuam a impedir alguns avanços nos cuidados e serviços destinados a pessoas idosas.
A CEOMA é a maior organização Espanhola que se dedica ao envelhecimento e às pessoas idosas. É uma entidade multidisciplinar que actua directamente junto de organizações sociais, económicas e políticas, influenciando as posições em relação ao envelhecimento. Este ano a CEOMA comemora 20 anos de existência (https://ceoma.org/).
O presente protocolo internacionaliza definitivamente a Associação e fornece mais um aliado para projectos que deixam de ter âmbito nacional mas passam a âmbito internacional, com especial destaque para a Península Ibérica.
Acrescenta-se que o projecto vai já dar cobertura a dois eventos que começaram a ser discutidos entre as duas organizações: o projecto DESATAR e o CONGRESSO INTERNACIONAL.

Ler mais

Dia da Gerontologia

Jan 3, 2021

VII Jornadas ISSL-UL

Realizam-se no próximo dia 6 de Janeiro, quarta. Feira, as 7ªs jornadas do Instituto Superior do Serviço Social de Lisboa – Universidade Lusíada em plataforma de streaming.

Estas jornadas marcam o Dia da Gerontologia e o seu programa e outras informações podem ser consultadas em

https://www.lis.ulusiada.pt/pt-pt/eventos/webinartrabalharcompopula%C3%A7%C3%A3oidosaemtemposdacovid-19problemas,necessidadeseboaspr%C3%A1ticas.aspx

As jornadas vão abordar o tema Trabalhar com a População Idosa em tempos de COVID 19: Problemas, necessidades e boas práticas.

Estas Jornadas contam com o apoio da Associação Amigos da Grande Idade e terão uma intervenção do Presidente da Associação, Rui Fontes, na sessão de abertura, pelas 9.30 horas.

Para quem desejar aceder e participar deve fazê-lo através de

 https://videoconf-colibri.zoom.us/j/83987839289?pwd=RUJybjhBQW5wZmlHMEdZSFNiRmtXQT09

Ler mais

Combater a Doença Cardíaca Estrutural (SHD) e a Doença Cardiovascular relacionada com a Idade

Out 16, 2020

No dia 1 de Outubro, o presidente da Associação Amigos da Grande Idade – Inovação e Desenvolvimento Rui Fontes foi informado sobre uma mobilização europeia que apela a uma Ação Conjunta Europeia sobre Doenças Cardíacas Estruturais (SHD) e Doenças Cardiovasculares (DCV) relacionadas com a idade.

A Doença Estrutural Cardíaca (SHD) é uma condição cardiovascular ligada ao declínio funcional e estrutural do coração. Sintomas incluem falta de ar, cansaço, dificuldade de movimento, e limita as atividades diária de quem sofre destas doenças, principalmente idosos. O SHD tem sido uma área de crescente preocupação da sociedade nos últimos anos e prevê-se que representará um grande fardo para a comunidade idosa. Só em Portugal, mais de 22% da população tem mais de 65 anos e prevê-se que até 2040, meio milhão de pessoas irão ter SHD.

A pandemia COVID-19 destacou a necessidade de cuidar das populações vulneráveis, combatendo as principais causas das desigualdades na saúde (câncer e doenças cardiovasculares). Vemos também que, em toda a UE, os cidadãos exigem cada vez mais ações de saúde a nível da UE. No entanto, atualmente não existe uma iniciativa emblemática unificada para cuidar dos pacientes cardiovasculares da Europa. Isto é problemático, pois em 2050, é estimado que 23 milhões de pessoas acima de 65 anos na UE irão ter SHD. A colaboração para garantir deteção precoce, pesquisa e práticas comuns sobre Doenças Cardiovasculares (DCV) pode melhorar muito a saúde e apoiar o cuidado de idosos.

Com o envelhecimento da população e num contexto de pandemia, Portugal e a UE devem tomar medidas para garantir uma Europa saudável e resistente, dando prioridade aos cuidados de saúde e às doenças cardíacas relacionadas com a idade. Portugal tem agora uma oportunidade para fazer a diferença nesta área, através da presidência do conselho da UE, a qual irá tomar a partir de Janeiro de 2021. Ao considerar e liderar a política de saúde da UE durante a sua Presidência, Portugal tem a oportunidade de apoiar a sua própria população e todos os europeus através da colaboração europeia em doenças cardíacas estruturais.

Uma solução direta para esses grandes desafios sociais seria uma Presidência da UE centrada em pacientes cardiovasculares e promover uma Ação Conjunta Europeia sobre Doenças Cardíacas Estruturais e DCV relacionadas com a idade. É necessária esta Ação Conjunta para conceber um quadro comum de ações sobre SHD na deteção precoce e tratamento e contribuir para o envelhecimento ativo e saudável na Europa.

Ler mais

Petição Pensos

Set 28, 2020

Pelo alargamento do acesso comparticipado a material de penso com ação terapêutica e materiais de compressão, a todos os cidadãos, mediante indicação clínica.

Assinar Petição

Ler mais