“O Idoso amadurecido vive com entusiasmo mas não com grandiosidade, desafiando o futuro mas não tendo uma ideia utópica sobre esse mesmo futuro” António Coimbra de Matos (seminário Maia 2018)

O Professor Doutor António Coimbra de Matos deu uma lição sobre envelhecimento, longevidade e, especialmente sobre a forma como devemos encarar esse processo.

Iniciando a sua conferência por um tema que lhe é muito querido; a competição versus a cooperação, fez-nos facilmente concluir que só relações de cooperação (“relação de par”) é que são criadoras e que fazem as sociedades progredir.

Também nos explicou que é na posição objectável e não numa posição narcisística que a pessoa evolui e se torna ou mantem produtiva. Não devemos continuar a acumular conhecimento para nós mas a partilhá-lo nunca deixando do adquirir e só assim é que atingimos posições que podem servir para produzir, mostrando-nos aos outros.

Com frases como “o verdeiro mestre é aquele que está sempre a apreender, o professor Coimbra de Matos fala daquilo eu sabemos, sentimos, percebemos mas dificilmente conseguimos explicar.

O processo de mais anos de vida deve passar por amadurecer e não envelhecer. Amadurecer é ganhar mais vida porque se sabe viver melhor, é ganhar mais saúde porque se sabe escolher melhor e ganhar mais participação porque se pode optar. É pois um processo positivo e nunca negativo. Só se torna negativo se as pessoas assim o desejar ou alguém obrigar a que seja.

Desconstrói algumas ideias preconcebidas: os idosos são manipuladores, os idosos auto-excluem-se propositadamente, os idosos disfarçam-se. Os idosos preferem encontrar alguém que lhes trate das novas tecnologias do que aprender a trabalhar com elas, tornam-se mais exigentes e mais selectivos

Perceber de envelhecimento é permitir-lhes estas especificidades, permite o requinte, a escolha, a decisão.

Finalmente o Professor Coimbra de Matos abriu-nos a janela da sua felicidade: escolhe a luz para pensar melhor, tem a grande vantagem de mais idade mais experiência e utiliza-a, passou de funções executivas a funções consultivas, tornou-se selectivo e requintado.

Sabe bem que a vida tem um prazo mas não vive angustiado porque a mortalidade simbólica permite encarar a mortalidade com menos angústia e a actividade distinta espanta a morte “E aqueles, que por obras valerosas/ Se vão da lei da morte libertando”

Participar nos eventos da associação Amigos da Grande Idade ultrapassa actualmente muito a simples discussão do envelhecimento, do bom, do mau, das indecisões e das unanimidades que nunca se concretizam